As Constelações Familiares e as Novas Constelações


”Nós deixávamos que os clientes escolhessem representantes e deixávamos que eles os constelassem; então interferíamos segundo as nossas ideias e a partir também do que tínhamos aprendido sobre as ordens de relacionamentos e procurávamos uma solução” Bert Hellinger

No início as constelações familiares eram, no fundo, uma forma de psicoterapia. E isso marcou muito as constelações familiares e ajudou muita gente.

No entanto, desde Bert Hellinger se aproximou do amor ao espírito e de seu movimento, as constelações familiares tomaram um novo rumo. A partir daí, vimos que o procedimento das Constelações Familiares Espirituais é outro. Diferentemente das constelações clássicas, tradicionais, nas novas constelações não existem instruções ou intenções. O terapeuta não coloca mais a família toda para ser representada. Ele trabalha inicialmente com uma ou duas pessoas e raramente pergunta aos representantes como se sentem. Os movimentos dos representantes são bem mais lentos e suaves, ficam centrados e se entregam ao movimento do campo. Sempre na sintonia com o movimento do espírito e que é, antes de qualquer outra coisa, um movimento de amor que procura unir o que antes estava separado.

O Constelador se mantém totalmente conectado em silêncio interno. Já não intervém com os representantes. O grupo coloca-se a serviço do constelado e também se entrega ao movimento do espírito. O importante nesta constelação não é chegar a uma imagem final. O importante são os movimentos que se colocam em curso para o cliente. Esses movimentos não precisam, segundo Bert Hellinger, ser levados sempre ao fim.

Esses movimentos não mostram simplesmente uma solução para um determinado problema. Eles já são os movimentos decisivos no processo de cura e precisam também do seu tempo para desdobrar.

São o início de um movimento de cura.

#constelação #cura #holistico #magalicaixeta

105 visualizações

Posts recentes

Ver tudo